COT1 OA FT Homenagem
|...ÍNDICE...|...APRESENTAÇÃO...| ...AUTORES...| ...CAPÍTULO 12...| ...COMENTÁRIOS...| ...ARTIGOS ...| ...DIVERSOS...|

página atual: artigos > negociação para comandantes

Subletalidade

"Conceitos de Negociação para Comandantes"


Autores: GARY W. NOESNER, M.Ed.*
Tradução: Ten. Onierbeth Elias de Oliveira (PMPB)


Introdução

Desde o começo humilde no Departamento de Polícia de Nova Iorque (NYPD) em 1972, o campo da negociação de reféns tem crescido significantemente e impactado os organismos policiais na capacidade para resolver pacificamente incidentes críticos. Em 1973, sendo construído a partir da instituição do NYPD, o FBI foi além em desenvolver a aplicação prática dos princípios de negociação e iniciou um esforço sem precedentes, que continua hoje, em instruir as polícias mundiais sobre as práticas e técnicas de negociação. Hoje, as polícias em todo o mundo industrializado e cada vez mais, nos países em desenvolvimento, reconhecem a negociação como uma das mais importantes ferramentas disponíveis para aplicação da lei para resolver pacificamente os eventos de crise. Na verdade, nos últimos 25 anos, a aplicação das técnicas de negociação provou consistentemente ser uma das inovações mais bem sucedidas e menos dispendiosas em todos os departamentos de polícia.

Hoje, os negociadores respondem não só aos incidentes de reféns, mas também a barricadas, suicídios, incidentes domésticos, raptos e outros tipos de eventos críticos, onde a aplicação das suas habilidades de comunicação e a formação especializada pode influenciar positivamente nos resultados. O FBI, e muitas outras agências de polícia, refletem esta aplicação expandida das técnicas de negociação ao caracterizarem seus profissionais treinados como “negociadores de crises”.

Enquanto as agências de polícia reconhecem a importância dos negociadores de crise, os administradores de aplicação da lei, os tomadores de decisão na cena durante uma crise, podem não compreender as habilidades e métodos de seus negociadores e podem interferir ou tomar decisões que impedem os esforços da equipe de crise. Por exemplo, durante o caso Waco, os gerentes na cena receberam pareceres da equipe de negociação, mas muitas vezes não seguiram esse parecer nem apreciaram a abordagem recomendada.

Para resolver estas preocupações, o FBI desenvolveu um bloco de instruções para propensos tomadores de decisões em uma cena de crise. O treinamento, Conceitos de Negociação para os Comandantes, serviu como o modelo para a resolução bem sucedida do cerco de 81 dias em Jordan, Montana, em 1996, bem como a resolução pacífica pelos Rangers do Texas no cerco de 7 dias na República do Texas em Fort Davis, Texas, em 1997. Ele fornece aos comandantes uma compreensão essencial dos importantes princípios e conceitos necessários para gerenciar eficazmente o processo de negociação durante um evento de crise.

 

 

Fonte: GARY W. Noesner. Negotiation Concepts for Commanders. Trad. Onierbeth Elias de Oliveira. FBI Law Enforcement Bulletin. Washington: January 1999. p. 6-14.



| Voltar |

 

© 2015 FABIANO TOMAZI | Todos os direitos reservados | ft@fabianotomazi.com.br